Expedição ao Monte Roraima

Tire Suas Principais Dúvidas Sobre a Expedição ao Monte Roraima

O Monte Roraima é uma surpreendente table mountain localizada na tríplice fronteira entre o Brasil, a Venezuela e a Guiana. Com 2.800 metros de altitude e 90 quilômetros de extensão, essa formação rochosa existe há mais de 2 bilhões de anos. O percurso até seu topo é almejado por trilheiros de todo o mundo e você não vai se arrepender de fazer uma expedição para conhecer tudo de perto.

Somente 5% do Monte Roraima fica em nosso país. O restante é distribuído em territórios Venezuelano (85%) e Guiano (10%). Por isso, a melhor forma de chegar até lá é percorrendo os 230 km que separam Boa Vista, capital do estado de Roraima, e Santa Helena de Uairém, na Venezuela.

Quantos dias são necessários para expedição do Monte Roraima?

As agências mais tradicionais possuem pacotes entre 6 e 8 dias. A diferença entre elas está na quantidade de tempo vivenciada sobretudo no platô, pois a duração da subida e descida costuma ser a mesma.

Em média, são percorridos 10km por dia. Não existe a menor possibilidade de fazer uma expedição do Monte Roraima sem um guia credenciado, tanto para sua segurança quanto para preservação do Parque Nacional Canaima (lado venezuelano) e do Parque Nacional do Monte Roraima (no Brasil).

Qual é a melhor época para conhecer o Monte Roraima?

Evite os períodos chuvosos. A melhor época para fazer uma expedição ao Monte Roraima é quando é verão no Brasil, entre os meses de dezembro a março. O ideal é que o clima esteja quente e seco.

O que é preciso organizar antes de sair para o Monte Roraima?

Antes de sair de casa, você tem que saber tudo que precisará para enfrentar esse desafio, que é considerado um dos mais incríveis do Brasil e dos países vizinhos. A expedição ao Monte Roraima exige planejamento e disposição. Tudo é muito bem recompensado com as paisagens de tirar o fôlego. Veja as questões práticas:

Documentos

A forma mais tradicional de acessar o Monte Roraima é pela Venezuela. Portanto, você precisa de um passaporte válido ou, na ausência dele, um Documento de Identidade (RG), cuja data de emissão não ultrapasse dez anos e que a foto não esteja muito diferente. Sua identificação será solicitada na cidade fronteiriça de Pacaraima.

Vacinas

Todo brasileiro, antes de entrar na Venezuela, tem que se vacinar contra a febre amarela. O certificado internacional deve ser apresentado, caso seja solicitado. E lembre-se: para ter efeito, a vacina precisa ter sido aplicada até 10 dias antes da chegada ao país.

Mochila

Uma expedição ao Monte Roraima pede por uma mochila tipo cargueira (mais ou menos 60 litros), ideal para trekking. Além disso, é fundamental um saco de dormir que suporte baixas temperaturas e um isolante térmico.

Roupas e calçados

Compre peças confortáveis para longas caminhadas. As peças segunda pele são ótimas para as baixas temperaturas (que durante expedição chegam facilmente a graus negativos no período noturno) e um casaco corta vento também. É essencial usar uma bota de trekking e dois pares de meias.

Acessórios

Lanterna de cabeça, cantil, protetor solar, capa de chuva, óculos de sol, bastão de caminhada, toalha, chapéu, bússola, lenços umedecidos, luva, canivete, repelente, saco plástico e papel higiênico.

Alimentação

Leve um purificador de água para garantir seu consumo durante todo o percurso do trekking. Não esqueça do gel de carboidratos, que lhe ajudará a ter energia, e outros tipos de alimentos hipercalóricos que não precisam de refrigeração e ocupam pouco espaço na sua mochila. As refeições tradicionais são oferecidas pela agência contratada.

Hospedagem

Não há hotéis durante a expedição, embora assim sejam chamadas algumas cavernas e paradas estratégicas que servem de acampamentos.

Higiene pessoal

Os guias vão informar quais são os locais que você pode usar como banheiro e os melhores ambientes para banho. Leve consigo todo o seu lixo.

Como é o roteiro pelo Monte Roraima?

Como ele pode variar, vamos descrever um roteiro completo de uma expedição ao Monte Roraima de 7 dias. Embora seja bem longa, cada dia é uma nova surpresa regada a diferentes conquistas. Confira:

Primeiro dia

São de 4 a 5 horas de caminhada a partir de Paraitepuy até o acampamento Kukenan, que fica às margens do rio chamado de Tek, a mil metros de altitude. Ao todo, cerca de 16 quilômetros são percorridos.

Segundo dia

É dia de alcançar o acampamento-base que fica a 8 quilômetros da última pernoite. Por conta da inclinação do terreno, o trajeto pode levar até 6 horas para ser concluído.

Terceiro dia

Cerca de 11 quilômetros fazem parte desse dia, que é considerado o mais desafiador da subida ao Monte Roraima. O trecho “Vale das Lágrimas” é inclinado, escorregadio e fica abaixo de uma cachoeira.

Quarto dia

Todas as maravilhas do topo são descobertas: o Vale dos Cristais, jacuzzis naturais, mirante La Ventana e as formações rochosas chamadas de Catedral, que possuem uma gruta em seu interior e onde possível tomar banho. Aproximadamente 14 quilômetros são desbravados.

Quinto dia

Ainda há muito o que ver no topo do Monte Roraima. O quinto dia de expedição alcança a região da Tríplice Fronteira, chamado de Ponto Triplo. Depois, é possível ir até o Lago Gladys, que fica na Guiana, uma parada obrigatória.

Sexto dia

Depois de dois dias fascinantes no topo da Monte Roraima, o sexto dia é dedicado à descida. São 14km em direção ao Rio Tek, passando pelo acampamento-base.

Sétimo dia

São 5 horas de caminhada do trecho final dessa missão. O objetivo é alcançar Paraytepuy, onde tudo começou. A área é de proteção ambiental e por isso todos os visitantes passam por uma revista por guardas venezuelanos ao final do trekking. A ordem é clara: tudo o que é do monte, fica nele.

Você já tinha ouvido falar da expedição ao Monte Roraima? Saiba que para fazê-la não é preciso ter experiência em trekking, porém é necessário preparo físico e muito desejo de conhecer um lugar único! Siga-nos no Facebook e tenha acesso a dicas de viagens exclusivas.

Deixe uma resposta

Próximo artigoRoteiro de Férias: Conheça as Cidades da Serra Gaúcha