Escalar montanhas: dicas e curiosidades.

Mais que um esporte, um estilo de vida. A escalada esportiva atrai pessoas que gostam de desafios, amam superar obstáculos e tem alma de explorador. 

A escalada surgiu no século XVIII nos Alpes, quando montanhistas ansiavam por caminhos mais difíceis para conquistar as montanhas. Com isso desenvolveram técnicas que auxiliassem na conquista das paredes Alpinas. Atualmente, o esporte é praticado em diversas partes do mundo e possui uma variedade de modalidades. A atividade tem como objetivo atingir um dos cumes de uma montanha, e para isso os atletas utilizam equipamentos especiais que auxiliam na finalização do desafio.

No Brasil, o primeiro local onde houveram registros do fortalecimento do esporte foi com a escalada da Pedra da Gávea, no século XIX. Desde então, outras conquistas se destacaram, tais como a escalada das Agulhas Negras, em Itatiaia, feita por José Franklin da Silva, que na época foi considerada a maior altitude já alcançada no Brasil: 2.787 metros. Hoje em dia o esporte possui grande reconhecimento, e foi considerado o terceiro melhor esporte para se praticar, segundo a revista Forbes.

É importante saber que a escalada é um esporte considerado radical, que estimula aqueles que buscam desafios, querem superar limites do corpo e não têm medo de obstáculos. Coragem, disposição e equipamentos específicos são pontos que também podem ser listados para a prática. A atividade exige um condicionamento físico elevado, sendo uma combinação de ginástica e agilidade cerebral.

Em um esporte como esse, a escolha dos materiais que serão utilizados é de extrema importância. Por isso é fundamental realizar um mapeamento do que será realizado com antecedência. A época do ano e as condições climáticas também interferem na escolha dos equipamentos, por isso verificar a previsão do tempo é fundamental.

A prática desta atividade traz diversos benefícios, como por exemplo o aumento da resistência muscular, melhora na flexibilidade, coordenação motora entre outras coisas. Além disso, por conta de ser um esporte radical e de alto risco, a escalada também auxilia em aspectos psicológicos como medo e concentração.

 

Modalidades:

  • Boulder: Nesta modalidade, não é necessária a utilização de equipamentos como cordas, cadeirinha, mosquetões, costuras, freios, proteções e etc. Nela, as únicas coisas necessárias são: uma sapatilha, uma bolsa de magnésio e um crash pad (colchão que será utilizado para amortecer as quedas). O ponto de maior relevância é o nível de dificuldade e não a altura, já que é uma escalada de menor dimensão do que a escalada em via, sendo de no máximo cinco metros de altura;

Boulder

  • Escalada tradicional: Neste caso, não existem proteções fixas que já estão instaladas na rocha, como acontece na escalada esportiva. Os equipamentos de proteção são móveis, e é muito importante que a instalação seja feita de maneira sólida nas fissuras e imperfeições da rocha e, retiradas ao final da atividade. Com muita dificuldade técnica, a modalidade consiste em vias mais longas, que em sua maioria necessitam horas ou dias para serem completadas;
  • Big Wall: É classificada pelo tempo que o atleta irá demorar para ascender a via. Apesar de serem em sua maioria grandes, para ser considerada “Big Wall”, a atividade terá que ter pelo menos dois dias de duração. Por isso é necessário realizar um acampamento temporário para o escalador passar a noite, contendo uma carga extra de equipamentos como comida e água;

Big Wall – Foto por @edsonvandeira – Escalador: @eliseufrechou

  • Alpinismo: É considerado uma das mais difíceis das modalidades de escalada. Para praticá-la é necessário a dominação de técnicas de escalada em rocha, neve e gelo. Além disso, é de extrema importância conhecimentos de sobrevivência, como cozinhar e primeiros socorros . Só é considerado alpinismo após atingir uma altura acima de 2.500 metros;
  • Via ferrata: É caracterizada pela rota que possui um sistema de segurança permanentemente instalado. É bastante praticada por quem está iniciando no esporte, já que a pessoa está presa o tempo todo em um cabo de aço por meio do duplo-mosquetão. Na medida em que o escalador progride na via, os mosquetões são conectados as proteções fixas, garantindo a segurança;

Via ferrata

  • Escalada indoor:  Esta modalidade de escalada é caracterizada por ser praticada em ambientes fechados, com paredes que imitam as superfícies rochosas das montanhas. O grau de dificuldade varia de acordo com o nível de experiência do praticante. Para os iniciantes, por exemplo, as agarras são maiores e mais próximas. Conforme as agarras se distanciam e ficam menores o grau de dificuldade aumenta.

Sistema de graduação

Existem 3 partes definidas para a descrição de uma via:

A primeira é o grau geral: é o grau presente na maior parte da escalada, sendo caracterizado pelo tamanho da via e a distância entre os grampos.

A segunda parte, também chamada de ‘sup’ (abreviação de superior): é o que define qual será o lance mais difícil da via. Até o sexto grau de dificuldade o ‘sup’ é utilizado para demarcar que este lance possui uma dificuldade superior, mas ainda menor que o grau seguinte. E então, do sétimo grau para cima são utilizadas letras minúsculas (ex.: ‘a’, ‘b’ e ‘c’).

A terceira parte: é caracterizada pela dificuldade a partir da existência (ou não) de passagens artificiais pela via. Além disso leva em consideração outros aspectos como: os tipos de rocha, inclinação da parede, proteções e as chances de queda. Sua variação é de A-0 a A-5.

 

Meio Ambiente e Ética

Sendo um esporte que impacta diretamente o meio ambiente, a Federação Internacional de Escalada e Montanhismo (UIAA) criou diretrizes para que a prática do esporte seja mais sustentável,

A UIAA elaborou um documento chamado “Manifesto dos Escaladores onde apresentam boas práticas para que a atividade seja exercida com consciência. São elas:

  • Praticar o desporto sabendo da necessidade de proteger o entorno da montanha;
  • Não deixar rastro;
  • Sempre trazer de volta o que carregar consigo;
  • Respeitar a cultura e estilo de vida dos residentes e comunidades das montanhas que visitar;
  • Atuar com responsabilidade e de acordo com a cultura e as leis do lugar visitado;
  • Escalar de forma limpa;
  • Oferecer ajuda aos outros, incluindo em situações que implique não alcançar um cume ou metas pessoais;
  • Usar equipamentos de escalada e montanhismo certificados;
  • Respeitar outros montanhistas e compartilhar conhecimentos.

Fontes: https://blogdescalada.com/escalada-e-eleita-pela-forbes-como-a-3a-pratica-desportiva-mais-saudavel/https://blogdescalada.com/declaracao-do-tirol-manifesto-dos-escaladores/ ; https://companhiadaescalada.com.br/secao-tecnica/artigo-dicas-tecnicas-escalada/graduacao-de-vias/

Deixe uma resposta